Somos

Ação de Revisão do FGTS

Total de acessos: 7292
11 de agosto de 2021
Fernanda Carvalho Campos e Macedo

Compartilhe agora

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Compartilhe agora:

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Ação de Revisão do FGTS

Ainda dá tempo de entrar com a Ação revisional?

Por:  Fernanda Carvalho Campos e Macedo – Advogada; Sócia Fundadora do Escritório Carvalho Campos & Macedo Sociedade de Advogados; Presidente do IPEDIS; Especialista em Direito Público; Trabalho e Processo do Trabalho; Previdenciário e Securitário; Professora, palestrante e Conferencista; Graduanda em Ciências Contábeis; Co-autora do Livro:  Ônus da prova no Processo Judicial Previdenciário- Editora Juruá, 2018

 

Trabalhadores que possuíram dinheiro na conta do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) têm direito a correção da diferença do saldo pelo INPC e não pela TR que vinha sendo utilizada. Entenda o caso:

Todo ano, a Caixa aplica, sobre o valor depositado na conta do Fundo de Garantia de cada trabalhador, juros de 3% mais correção pela TR (Taxa Referencial), que é aplicada mensalmente.

A TR é um valor publicado todo mês pelo governo federal, porém, esta taxa não recompõe a inflação, e isto vem provocando perda para os trabalhadores desde 1999.

Diante desse absurdo com o dinheiro do trabalhador, a Central Força Sindical entrou com uma ação para cobrar na Justiça a correção das contas. A ação engloba o período de 1999 até os dias atuais.

A garfada na correção do FGTS chega, dependendo do ano em que a conta foi criada, a 88,3%.

Tal ação de cobrança/ correção do FGTS surgiu a partir da decisão do STF em Ação Direta de Inconstitucionalidade da EC 62, ocasião em que o Supremo disse que a Taxa referencial pelo índice da Caderneta de Poupança não seria suficiente para que se recuperassem as perdas inflacionárias capazes de corrigir o valor real dos precatórios.

Com tal decisão e verificando que a Central Força sindical já havia, inclusive, proposto ação coletiva representando seus filiados, vários escritórios de advocacia Brasil a fora também passaram a propor a referida ação.

A tese defendida é de que, como no caso dos precatórios, o FGTS também não teve a correção correta em relação às perdas inflacionárias e, com isso, cabe ação contra a Caixa Econômica Federal requerendo a reposição das perdas sobre os depósitos existentes em conta vinculada ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), no período compreendido entre 1999 a 2013, entendendo que o índice de correção monetária aplicado não repõe, adequadamente, as perdas inflacionárias verificadas no aludido período.

Alguns juízes estavam julgando favoravelmente aos requerentes, inclusive declarando a inconstitucionalidade progressiva do art. 13 da Lei 8.036/90 c/c arts. 1º e 17 da Lei 8.177/91.

Ocorre que o Superior Tribunal de Justiça, em sentido contrário ao que que estava sendo decidido por diversos Tribunais e Juízes, julgou de forma contrária aos trabalhadores. Para o STJ, somente o Congresso Nacional, que têm o poder de legislar, poderia determinar o índice de remuneração das contas do FGTS.

Entretanto, o STF tem a previsão de julgar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5090) , proposta pelo partido Solidariedade em 2014, questionando a adoção da TR, a Taxa Referencial, como índice de correção. A ação argumenta que usar a TR como índice de correção monetária seria inconstitucional e feriria a garantia de propriedade. “Isso porque a devolução do dinheiro ao trabalhador com uma correção que sequer acompanha a inflação violaria o direito constitucional ao patrimônio”.

Diante disso, todos os processos relacionados à correção do FGTS estão sendo suspensos, até o julgamento do mérito pelo STF. Mas, com a aproximação do julgamento do caso pelo Supremo Tribunal, trabalhadores que têm ou tiveram FGTS se perguntam sobre o que fazer sobre seus casos específicos, quando não deram sequer entrada nos processos judiciais individuais.

Pois bem, é importante ressaltar que as ações de revisão do FGTS não estão prescritas, como muitos acreditam. A decisão do STF, em 2014, alterando o prazo prescricional para 5 (cinco) anos deve ser interpretada em benefício dos trabalhadores e não ao contrário.

O prazo prescricional a que se refere a decisão do STF de 2014 está relacionado a questão do depósito de FGTS não realizados por empregadores e tomadores de serviço, decorrentes da relação de trabalho do empregado e, portanto, não tem relação com a tese de correção do saldo do FGTS a partir do índice da TR, que ainda carece de julgamento pelo STF.

Apesar da constatação sobre a não incidência do prazo prescricional para os que desejam a revisão do FGTS, os trabalhadores que manifestem desejo de propor a ação revisional não podem perder tempo, pois cogita-se que o STF pode modular os efeitos da sua decisão (se esta for favorável aos trabalhadores), limitando, inclusive, o direito de recebimento para os trabalhadores que tenham ação judicial em andamento.

O STF pautou o julgamento para o dia 13/05/2021, no entanto, um dia antes adiou-se o julgamento e não marcaram nova data. Portanto, os trabalhadores que ainda não ingressaram com a ação, ainda há tempo.

Estamos certos que o parâmetro fixado para a correção monetária, estabelecido pela lei 8.177/91, não promove efetiva atualização monetária desde 1999, distanciando progressivamente os saldos aplicados no fundo dos índices oficiais de inflação. Por conseguinte, temos apontado a violação à lei 8.036/90 (legislação que regula o FGTS) e, dessa forma, e requerendo a substituição da TR pelo INPC ou, alternativamente, pelo IPCA ou por outro índice de correção.

Um exemplo: Em média, o trabalhador que tinha R$ 1.000 na conta do FGTS no ano de 1999 tem hoje apenas R$ 1.340,47. Os cálculos corretos indicam que a mesma conta deveria ter R$ 2.586,44. Ou seja, uma diferença de aproximadamente 48%. Em alguns casos, a diferença pode chegar a 88%.

E quem teria direito de entrar com a ação: Todos os trabalhadores que possuíram ou possuem dinheiro na conta do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) entre os anos de 1999 e 2013.

E a suspensão dos processos pelo STF impede que os trabalhadores que se encaixem no direito entrem com a ação? Entendemos que não. O Trabalhador, a nosso sentir, deve procurar um advogado de sua confiança e propor a ação de forma a suspender a prescrição. Se a decisão do STF for em favor da tese que lhe favorece, terá direito de receber os juros e correções monetárias da data da citação e a propositura da ação suspenderá o prazo prescricional.

Ao contratar o advogado de sua confiança, o trabalhador receberá todas as instruções sobre os documentos necessários, os quais poderão ser escameados e encaminhados ao seu patrono a partir do Watsapp ou outro meio de comunicação, como o e-mail. O advogado poderá, inclusive, em videoconferência, explicar, passo a passo, ao trabalhador, como ele pode retirar os extratos do FGTS para que o cálculo do valor do proveito econômico pretendido à condenação seja realizado pelo advogado e fique, portanto, determinado o valor da causa.

Nesse sentido, como sempre, recomendamos que o cidadão, ao buscar a tutela judicial, esteja acompanhado de advogado/defensor de sua confiança. Isso, pois, apesar da oferta do jus postulandi, há casos em que a análise fática; a instrução probatória (e aqui, recomendamos a precedência de pedido administrativo; cálculo do valor da causa com os consectários legais etc); a argumentação trazida pelo patrono farão toda a diferença na concessão do direito e, inclusive, na percepção de parcelas pretéritas. Nesse sentido, não é demais relembrar a dicção do artigo 133 da Constituição Federal de 1988, que diz: ” Art. 133. O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei.”

 

 

Assunto do Contato: Ação de Revisão do FGTS
Carregando...

Plantão 24h

O telefone de Plantão 24 horas é utilizado exclusivamente para casos de urgência, fora do horário comercial, tais como: internações em CTI negadas; prisão em flagrante; entre outros dessa natureza.

Para ser atendido, explique o caso por escrito pelo Whatsapp. Retornaremos a ligação em seguida.

Receba conteúdos gratuitos

Deixe seu comentário sobre nossos serviços

Nós, do Escritório de Advocacia CARVALHO CAMPOS & MACEDO SOCIEDADE DE ADVOGADOS, achamos de extrema importância conhecer a opinião de cada um dos nossos clientes e amigos para que possamos continuar aprimorando os nossos serviços e motivar os nossos colaboradores para, a cada dia, buscar incessantemente a satisfação integral de todos. Por isso, pedimos que clique no link abaixo e dê a sua opinião sobre o atendimento; sobre a capacidade, competência e honestidade dos nossos advogados e se recomenda os nossos serviços a que dele possa precisar. Desde já, ficamos muito gratos pela manifestação que, certamente, nos possibilitará ajudar cada vez mais pessoas a conquistar os seus direitos. Para dar sua opinião no google, recomenda-se que esteja conectado a alguma conta de e-mail do gmail. Caso já esteja, basta preencher o campo da mensagem e enviar a mensagem.

Mensagem enviada com sucesso!

Em breve entraremos em contato.

Cadastrado com sucesso!

Verifique seu e-mail para receber o contato de confirmação.