fernanda AB INITIO

 

Há algum tempo, observa-se demandas em meu escritório de ex servidores que foram exonerados em função da Declaração de Inconstitucionalidade de dispositivos da Lei Complementar 100/07 do Estado de Minas Gerais. Devido aos inúmeros questionamentos por parte dos interessados no tema, resolvemos escrever algumas linhas que pudessem ajuda-los no conhecimento da matéria.

 

 ANÁLISE JURIDICO-POLÍTICA

Notoriamente, muitas questões de Direito são ligadas intrinsicamente à Política. Alguns governantes, com fundamentos até legítimos,usam-se das armas legislativas para implementar projetos que lhes geram prospecção eleitoreira, mas que não tem sustentáculo constitucional. Esse foi o caso dos servidores efetivados pela Lei 100/07, muito propagandeada pelos líderes políticos, Anastasia e Aécio Neves, e que foi considerada, em alguns tópicos, inconstitucional. Alguns comentaristas dizem que se tratou de um grande presente de grego para os trabalhadores de Minas Gerais.

A guerra relacionada aos efetivados pela Lei 100 teve seu ápice em março de 2014, quando o STF declarou inconstitucional os dispositivos que permitiram a efetivação de cerca de 98 mil profissionais para atuar no Estado sem concurso. A maioria daqueles trabalhadores são professores, faxineiros e vigilantes de escolas públicas. E o que, de fato, foi declarado inconstitucional? O artigo 7º da LC 100/07 nos incisos I, II, IV e V, vindo a atingir os designados efetivados em novembro de 2007, a função pública da educação e os estabilizados pelo artigo 19 da ADCT. 

A declaração de inconstitucionalidade foi decidida por unanimidade, tendo divergência apenas no momento de decidir sobre a modulação dos efeitos.
Após a decisão pela inconstitucionalidade, o STF decidiu em que termos será aplicada a decisão e, considero importante trazer em tópicos específicos:

1) Aposentados: garantiu a continuidade das aposentadorias e o direito de aposentar para os que cumpriram os requisitos até a data da publicação da ata do julgamento (direito adquirido). Há garantia do direito, mesmo nos casos em que o servidor não tenha apresentado requerimento para aposentadoria. No que se refere às pensões, entendemos que também está garantida a sua continuidade.

2) Manutenção dos estabilizados pelo artigo 19 do ADCT: Conforme ficou expresso nos termos do Julgamento do STF, os estabilizados pelo art. 19 da ADCT não sofrerão os impactos da decisão, ou seja, não serão exonerados/desligados.

3) Eficácia imeditada da decisão para os cargos que têm concurso público em andamento: Para os cargos que têm concurso público, os efeitos da decisão são imediatos a partir do trânsito em julgado ( Assistente Técnico de Educação Básica, Assistente Técnico Educacional, Analista Educacional, Analista Educacional com função de inspeção escolar, Especialista em Educação Básica, Professor de Edu-cação Básica anos iniciais do Ensino Fundamental, Artes, Biologia, Educação Física, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Estrangeira Moderna, Língua Portuguesa, Matemática, Química e Sociologia).

Além das questões supra, muitas questões me tem sido apresentadas, diariamente, e se tem tratado cada caso concreto com as especificidades que lhes são inerentes. Apenas a título de exemplo:

1) Se o servidor prejudicado pela declaração de inconstitucionalidade, tiver prestado concurso público na vigência do seu contrato, e tiver passado dentro do número de vagas previstas no edital:

Nesses casos, é cabível propor ação judicial pleiteando a imediata nomeação do candidato, tendo em vista que não se trata de mera expectativa de direito. Até mesmo nos casos em que é verificada a vacância e que o candidato não estiver contemplado no número de vagas previstas originalmente no edital, entendo que, em certos casos, há interesse de agir, principalmente quando a administração pública não demonstra a razoabilidade procedimental no exercício da discricionariedade administrativa.

2) Nos casos em que o servidor exonerado estivesse de licença médica, o que acontece?

Nesses casos, torna-se necessário o requerimento de cópia de todo o processo que gerou a licença médica, de modo a avaliar todas as circunstâncias fáticas e probatórias. A mesma documentação poderá ser utilizada como prova emprestada em reclamatória trabalhista e ações previdenciárias a fim de assegurar a continuidade do afastamento pelo Regime Geral de Previdência.

3) Há direito a verbas rescisórias trabalhistas, inclusive o saque do FGTS? Entendemos que sim.Todos os exonerados diante da declaração de inconstitucionalidade da Lei 100/07 devem ser considerados trabalhadores celetistas e com todos os direitos que são assegurados àquela categoria quando demitidos involuntariamente.

4) Diante da decisão do STF, como fica a situação do ex-servidor que foi efetivado em ajustamento funcional?

Nos termos da decisão do STF, até mesmo os servidores que estivessem em situação de ajustamento funcional foram dispensados. É necessário verificar se o ex-servidor preenche as condições para aposentadoria , pois em alguns casos é possível converter período de tempo trabalhado em condições especiais (insalubridade e periculosidade), bem como averbação de tempo rural e outros não reconhecidos.

5) E as contribuições vertidas pelo ex-servidor para o RPPS até sua desvinculação, como ficam?

Há de usar a tese de que há vínculo de emprego entre o trabalhador e o Estado. Com isso, a questão se refere a transferência de contribuições entre os entes e não pode atingir o direito do segurado. Há notícias que os entes já estão negociando a transferência das contribuições previdenciárias. No entanto, tal questão não é óbice ao exercício imediato dos direitos trabalhistas e previdenciários decorrente da relação laboral de fato exercida.

6) Há possibilidade de indenização por danos Morais em face do Estado?

Entendemos que sim. Foram muitos prejuízos causados através da expectativa e segurança jurídica gerada por uma lei evidentemente (à suficiência técnica e logística do Legislador, mas não aparente aos destinatários da norma) inconstitucional.

Obs: O presente texto tem o caráter meramente " informativo" e não tem intenção de induzir ao leitor a litigar.
Informa, sim, os eventuais direitos dos leitores e sua opção por contratar um advogado da sua confiança, já que este profissional é indispensável à administração da Justiça, é defensor do Estado Democrático de Direito, dos direitos humanos e garantias fundamentais, da cidadania,da moralidade, da Justiça e da paz social, cumprindo-lhe exercer o seu ministério em consonância com a sua elevada função pública e com os valores que lhe são inerentes, entre eles o dever de "informar" à sociedade os seus potenciais direitos para que, com isso, se alcance a tão sonhada justiça social, tudo conforme preceito básico contido no art. 2º do Código de Ètica da advocacia.

Share

Precisa de Ajuda? Entre em Contato Conosco

Tire Suas Dúvidas

Nosso escritório tem filiais em várias cidades da Zona da Mata Mineira  e no Rio de Janeiro, contando também com advogados associados parceiros em toda Minas Gerais, Rio de Janeiro e Brasília. Faça contato conosco e lhe indicamos o endereço e o contato do nosso correspondente ou filial mais próxima da sua cidade. 

 

JO WhatsApp Contact Button

Faça uma visita

Carvalho Campos & Macedo Advogados

Rua Santo Antônio, nº42
Centro - Juiz de Fora - MG

Contatos

Telefone: (32) 3212-4083
Atendimento: (32) 3212-4083
Consultoria: (32) 3025-0329