fernanda

INTRODUÇÃO

O tema que trazemos a baila é um dos mais fascinantes temas de direito previdenciário em plena sintonia com o direito trabalhista, com vínculo entre empregado e empregador.

De forma preliminar é preciso advertir que não há uniformidade na denominação que os doutrinadores dão ao vínculo jurídico que tem como partes, de um lado, o empregado, e, de outro, o empregador. Nem mesmo as leis se definiram, sendo encontrada tanto a expressão contrato individual de trabalho como relação de emprego, no que não está só.

O caput do art. 3º da CLT estabelece: "Considera-se empregado toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste mediante salário". De tal modo, empregado é o trabalhador subordinado, que recebe ordens, é pessoa física que trabalha todos os dias ou periodicamente e, é assalariado, ou seja, não é um trabalhador que presta seus serviços apenas de modo esporádico. Por outro lado, o caput do art. 2º, da mesma CLT, dispõe: "Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços", sendo desse o ônus de assinar a carteira laboral.

Assim é que o presente trabalho tem como objetivo analisar a força probatória das anotações procedidas na Carteira de Trabalho e Previdência Social decorrente de sentenças trabalhistas homologatórias, para fins de contagem de tempo e posterior recebimento de benefício previdenciário.

Sabemos que a correta anotação na CTPS do empregado, dentro do prazo legalmente previsto, constitui providência inarredável do empregador, com presunção juris tantum de veracidade, somente desconstituível mediante prova firme em contrário. Para tanto a assinatura da carteira pode se dar até mesmo de forma extemporânea, o que não retira sua presunção de veracidade, tampouco a possibilidade de enquadrá-la como razoável início de prova material, para os casos práticos em que se discute o tempo de serviço do trabalhador rural, por exemplo.

 

1– TEORIA GERAL DA PROVA

A instrução processual constitui-se de suma importância para formação da convicção do magistrado durante o trâmite processual.
Toda a sociedade, da mais distante e rudimentar das civilizações até a atual, possui certa noção de prova como instrumento utilizado para o convencimento do julgador na solução de conflitos envolvendo discussões sobre fatos em certas épocas, e em outra época, o resultado da prova era, na verdade, o resultado do próprio julgamento, pois o juiz nada mais faz do que colocar como vencedor aquele que logrou êxito na produção do conjunto probatório.
Desse modo, oportuno se faz colacionar o que podemos entender como prova. Nas palavras de SCARPINELLA BUENO,1 2010, seria a prova “tudo que puder influenciar, de alguma maneira, na formação da convicção do magistrado para decidir de uma forma ou de outra, acolhendo, no todo ou em parte, ou rejeitando o pedido do autor”. Já nas palavras de MARINONI( 2011) , poderíamos definir a prova como “meio retórico, regulado pela legislação, destinado a convencer o Estado da validade de proposições controversas no processo, dentro de parâmetros fixados pelo direito e de critérios racionais”.
Portanto, tem-se, primordialmente, que o objeto de prova é basicamente os fatos controvertidos relevantes, vez que fatos incontroversos/notórios, enfim, confessados, não precisam ser consequentemente provados; fatos irrelevantes/impertinentes também não dependem de prova, por em nada afetar a decisão judicial.
De tal modo, a fim de comprovar os fatos controversos, devem ser admitidos todo e qualquer meio de prova, podendo ser utilizados meios de prova típicos e até mesmo atípicos,desde que moralmente legítimos, valorando-as todos da mesma forma, haja vista a expressa previsão legal acerca da inexistência de hierarquia de provas. Com isso, em compatibilidade com a citada teoria da inexistência de hierarquia absoluta entre provas, há de se registrar que em determinados casos, por certo, a prova atípica, aceita como meio probante, poderá sim ser a única disponível e compatível com a natureza da demanda.
Nesse diapasão, a prova utilizada na demanda deve ser analisada ainda que se trate de um mero indício dos fatos alegados, tendo assim o Supremo Tribunal Federal tratado do assunto:

"os indícios, dado ao livre convencimento do juiz, são equivalentes a qualquer outro meio de prova, pois a certeza pode provir deles" (HC 70344/RJ, Rel. Min. Paulo Brossard, 2ª Turma do STF) Fato é que, a liberdade que o magistrado possui para valorar a prova de acordo com seu livre convencimento, é atributo constitucional assegurado com a finalidade de garantir a satisfação da justiça, frente ao caso concreto, ainda que haja carência de provas materiais para o fato.

1.1– O ônus da prova e o ônus desconstitutivo do direito alegado

A obrigação de produzir a prova do direito vindicado está atribuída na previsão feita pelo art. 333 do CPC, o qual ressalta incumbir ao autor alegar e provar o fato constitutivo do seu direito. Em contrapartida, como dever de desconstituir as provas produzidas do direito alegado, cabe ao réu alegar e provar fato impeditivo, modificativo ou extintivo desse direito, o que possui muita importância ao tempo em que não admitida relativização do princípio dispositivo em sentido processual ou impróprio.
Em algumas ciências do Direito, no entanto, vem sendo admitida relativizações nesse ponto, admitindo-se a inversão do ônus de provar, geralmente em razão de maior condição técnica-financeira de uma parte: como no direito do trabalho em que o trabalhador deve ser tratado de modo a equipará-lo de acordo com a capacidade financeira do empregador. É o que chamamos de isonomia jurídica.
Caso as provas não sejam contestadas pela parte contrária, há de prevalecer a presunção de veracidade então alegada e não impugnada pela parte interessada. Por oportuno, em caso de necessidade da inversão do ônus probatório, deve requerer que o magistrado assim decida logo no despacho saneador do processo, o que deverá ser feito pela via do mandado de segurança, caso haja omissão do órgão julgador.

1.2-A eficácia da prova emprestada/ Conceito de prova empresta

A prova emprestada é aquela produzida em um processo de natureza jurisdicional para nele gerar efeitos e, posteriormente, ser transportada para demanda distinta na forma de documento, conservando assim o seu valor originário e, constituindo valor probatório.
De acordo com o ensinamento de Moacyr Amaral Santos, assim explica o citado instituto:

“Muito comum é o oferecimento em um processo de provas produzidas em outro. São depoimentos de testemunhas, de litigantes, são exames, traslados, por certidão, de uns autos para outros, com o fim de fazer prova. Tais são as chamadas provas emprestadas, denominação consagrada entre os escritores e pelos tribunais do país. É a prova que “já foi feita juridicamente, mas em outra causa, da qual se extrai para aplicá-la à causa em questão”, define Benthan.”

Trata-se de modalidade de prova que se enquadra dentro do que se costuma denominar de atípica ou inominada, por não se encontrar expressamente prevista no ordenamento jurídico processual nacional, sendo admitida desde que não esteja contaminada por nenhum vício que extraia sua validade. Justamente pela ausência de expressa previsão legal é que buscamos demonstrar a validade da assinatura na carteira de trabalho como forma de comprovar a existência do vínculo trabalhista junto ao processo previdenciário para requerimento de benefício.

1.3- A atuação ex officio do juiz na busca da verdade real dos fatos

A atuação do magistrado deve estar atrelada ao princípio da inércia, o que significa que o juiz deve atuar apenas por impulso das partes. Nas palavras de Cintra, Grinover e Dinamarco, o princípio da inércia assim se explica:

"o exercício espontâneo da atividade jurisdicional acabaria sendo contraproducente, pois a finalidade que informa toda a atividade jurídica do Estado é a pacificação social e isso viria em muitos casos a fomentar conflitos e discórdias, lançando desavenças onde elas não existiam antes".

Em contrapartida, de acordo com o art. 370 do CPC, é perfeitamente possível ao juiz que determine ex officio a apresentação da prova emprestada, o que não implicará na manutenção de seu dever de imparcialidade, atentando-se para a necessidade de que tal decisão judicial deverá ser acompanhada da devida motivação. Com isso resta configurada a ideia pela busca da verdade real dos fatos, que se constitui e determina que os fatos devam ser realmente comprovados, não deixando espaço para verdades “formais” ou até mesmo dúvidas.
O entendimento majoritário é no sentido de que deve prevalecer o princípio da imparcialidade do julgador na relação processual, haja vista tratar-se de terceiro desinteressado, cabendo o ônus de provar os fatos àqueles que os alegassem.
Ocorre que ao juiz também é dado o dever e o compromisso de buscar a verdade real dos fatos narrados, assim como vem decidindo a jurisprudência dominante de modo a permitir uma maior intervenção do juiz, com o fortalecimento de seus poderes, adotando uma conduta mais atuante no deslindo do feito. Veja-se como pensa o Superior Tribunal de Justiça:

“Como é cediço, diante do cada vez maior sentido publicista que se tem atribuído ao processo, o juiz deixou de ser mero espectador inerte da batalha judicial, passando a assumir uma posição ativa que lhe permite, dentre outras prerrogativas determinar a produção de provas, desde que o faça, é certo, com imparcialidade, sem ensejar injustificado favorecimento a litigante que haja negligenciado em diligenciar as providências probatórias de seu interesse.( STJ, 4ª Turma: REsp n.º 17.591-0/SP – rel. Min. Sálvio de Figueiredo Teixeira – DJ 27/06/1994).

De tal sorte, a conduta ativa citada no julgado é corolário da busca pela verdade real fática que deve se ponderada, pois a ausência de atuação do Juízo pode também ser interpretada de forma diversa, entendo, aliás, que a inércia do julgador poderia ser uma prática tendenciosa, de modo a se mostrar parcial em favor daquele que seria prejudicado pela prova.
Com isso, a prática judicial deve ser admitida seja quanto a inércia, ou em busca da verdade real de modo justificado pelo julgador, de forma a não ferir os preceitos constitucionais estampados na Carta Magna, pois que, uma vez lesado a parte prejudicada poderá ter reconhecido o vício por meio de recurso próprio a atacar a decisão proferida. Basta que o juiz fundamente sua decisão conforme preceitua o artigo 93, IX da Constituição da República a fim de sanar vícios que pareçam fugir do seu dever de inerte.

2- A ANOTAÇÃO DE VÍNCULOS TRABALHISTAS-PRESUNÇÃO JURIS TANTUM DE VERACIDADE DA CTPS

2.1- Conceito e Validade Da Sentença

A sentença proferida após processamento da instrução processual visa compor a lide e proferir o direito a quem de fato o possui, de acordo com seu convencimento. Nessa seara é que a decisão final deve ser entendida como ato do processo, com o qual o juiz formula seu juízo, sendo ele então um ato de autoridade, dotado de eficácia vinculante, além de atuar na verdadeira formulação normativa do Estado para o caso submetido a Juízo ao qual lhe compete.
A sentença, na opinião do jurista Arruda Alvim5, é ato intelectual de índole ou estrutura predominantemente lógica, que pressupõe o resultado dos fatos e identificação das normas aplicáveis, através da qual o Estado-juiz se manifesta, concretizando a vontade do legislador, traduzida ou expressa pela lei. De qualquer forma, indispensável à hermenêutica jurídica.
Desse modo, a sentença deve colocar fim a solução de conflito, fazendo surtir efeitos no mundo jurídico, cabendo as partes observá-la como a lei regente entre as mesmas, vez que foi proferida de modo vinculante, independentemente da validade formal do ato, efeitos declaratórios ou modificativos na esfera jurídica dos sujeitos, a que os estudiosos denominam de coisa julgada.
Com a prolação do decisum e, para atingir o efeito esperado, necessário se faz que a decisão tenha sido proferida por juiz competente para que a mesma não seja eivada de vícios e, por consequência, não produza os efeitos pretendidos, ficando amplamente prejudicada a presunção de veracidade, por exemplo, da anotação da carteira de trabalho proveniente de sentença declaratória.

2.1.1- Efeito da sentença: coisa julgada

A sentença, como todos os demais atos do processo, produz seus efeitos no mundo jurídico, no qual podemos citar a coisa julgada. A fim de conceituá-la, trazemos a baila a lição magistral de Chiovenda, para quem entendia que a res judicata corresponderia à eficácia da sentença que acolhe ou rejeita o pedido, ou seja, o instituto da coisa julgada decorreria dos efeitos da sentença. Já para Liebman, a coisa julgada seria não só o ato declaratório da decisão que põe fim ao processo, mas também os elementos constitutivos e condenatórios, deixando de considerá-la como efeito da sentença, mas no modo como esta se manifesta e produz seus efeitos de modo formal ou material.
Para essa última corrente, posição predominante na doutrina, o efeito da sentença definitiva sobre o mérito da causa é capaz de resolver o conflito, além de fazer imutável e vincular a decisão para as partes e para os órgãos jurisdicionais, o conteúdo declaratório da decisão judicial.
Assim deve ser justamente pela necessidade de segurança jurídica necessária aos atos processuais, sem a qual estaríamos fadados ao distanciamento da verdadeira justiça. Não pode ser diferente, vez que a sentença deve trazer a relativa certeza ou ao menos a “certeza razoável” do direito pretendido, pois, caso contrário, não se compõe o litígio e nem se alcança a tão pretendida e sonhada paz social.
Nessa mesma linha, podemos dizer que os efeitos da sentença são a repercussão de seu conteúdo na relação material, como resposta a um pedido declaratório, constitutivo ou ordenatório, devendo perpetuar seus efeitos, ainda que em outro âmbito do Direito, em razão até de sua coercitividade.

2.1.2- Aplicação da coisa julgada em âmbito previdenciário

Diante da amplitude que alcança o tema, existe uma grande divergência. O entendimento predominante entende que as sentenças da Justiça do Trabalho não são capazes de produzir efeitos previdenciários contra o INSS pelo fato de o mesmo não ter composto a tríade processual.
Como consequência, não caberia também a autarquia reconhecer ou averbar o tempo de serviço eventualmente reconhecido por sentença ou acórdão trabalhista, excetuando a possibilidade do interessado buscar a via própria que seria a Justificação Administrativa perante o INSS ou a via Judicial, se for o caso, perante a Justiça Comum Federal, com a devida intimação e composição da lide pelo INSS.
Ressalta-se a possibilidade ainda de, uma vez declarado reconhecido o vínculo, o próprio interessado promover a execução do recolhimento das contribuições previdenciárias, o que lhe asseguraria a possibilidade de receber o benefício previdenciário devido após atingida a carência exigida para o mesmo.
Oportuno lembrar que, como ficou já elucidado, a decisão emanada pelo juiz competente, não sendo alvo de recurso, faz surtir o efeito da coisa julgada. Diante disso, temos um ato judicial do qual faz nascer a eficácia natural da sentença como ato do Estado.
Assim sendo, não se pode admitir que a sentença tenha seus efeitos limitados apenas no âmbito trabalhista, por exemplo, de modo que aceitar tal fato se equivale a acatar o afronto a efetividade da tutela jurisdicional trabalhista e princípios basilares do direito processual moderno, tais como o da instrumentalidade substancial do processo e o da maior efetividade no exercício da função jurisdicional, tal como a segurança jurídica.
De tal modo, a eficácia natural da sentença trabalhista perante o INSS, no tocante aos seus efeitos previdenciários deve prevalecer, uma vez que a própria CLT, admite a testemunha como prova da existência do contrato de trabalho, não havendo razões óbvias a justificar sua exclusão.
Por sua vez, a finalidade teleológica da norma, quando prevê a assinatura da CTPS, é apenas uma, qual seja, assegurar o tempo de serviço trabalhado para fins de aposentadoria por tempo de contribuição, sob pena de não haver lógica para tal exigência. Esse também é o entendimento trazido pelo inciso I do artigo 40 da CLT, in verbis:

Art. 40 - As Carteiras de Trabalho e Previdência Social regularmente emitidas e anotadas servirão de prova nos atos em que sejam exigidas carteiras de identidade e especialmente: (Redação dada pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967)
I - Nos casos de dissídio na Justiça do Trabalho entre a empresa e o empregado por motivo de salário, férias ou tempo de serviço; (Redação dada pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967)
II - Perante a Previdência Social, para o efeito de declaração de dependentes;(Redação dada pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967)
III - Para cálculo de indenização por acidente do trabalho ou moléstia profissional. (Redação dada pelo Decreto-lei nº 229, de 28.2.1967) (Grifei)

Ainda no que tange a eficácia da sentença trabalhista, atribui-se a presunção iuris tantun, quando o INSS rejeita a sentença trabalhista transitada em julgado, por meio da qual restou declarado o vínculo de emprego, ainda que por meio de prova exclusivamente testemunhal, atingindo mortalmente os artigos 456 e 40, I, da CLT. Da mesma forma, entendemos haver cristalino afronto ao artigo 369 do CPC, o qual reza:

“Art. 369 – As partes têm o direito de empregar todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que se funda o pedido ou a defesa e influir eficazmente na convicção do juiz.”

Esse mesmo dispositivo admite “todos os meios legais e os moralmente legítimos” para utilização como prova da verdade real dos fatos, na qual podemos citar a tão questionada prova testemunhal.
Portanto, a necessidade da constituição do início de prova material proposta pela Lei 8.213/91, argumento utilizado pela autarquia previdenciária para negar averbação de tempo reconhecido pela justiça trabalhista, entra em conflito ainda com o artigo 5º, inciso LVI da Carta Magma, o qual descreve ser inadmissível as provas obtidas por meios ilícitos, para formação da cognição judiciária.
Assim, como espécie de garantia jurídica, o trabalhador, parte interessada, pode e deve requerer ao instituto previdenciário a emissão da Certidão do Tempo de Contribuição, que conste a informação completa de que as contribuições do seu período laboral foram regularmente lançadas na base de dados do CNIS – Cadastro Nacional de Informações Sociais, ato esse decorrente de efeito da sentença trabalhista então proferida. É justamente a prova de regularização junto as contribuições previdenciárias que assegurarão ao trabalhador o cômputo de tempo laborado para efeitos de sua aposentadoria ou a média da pensão, que seus dependentes venham a pleitear.

Alguns precedentes aduzem que a validade da prova para fins previdenciários, produzida em virtude de sentença trabalhista não seria capaz de dirimir controvérsias para fins de benefícios, uma vez que a maior parte da convicção do magistrado trabalhista é formada a partir de provas exclusivamente testemunhal. Entendemos, no entanto, que tal premissa não deveria prevalecer, pois o Juiz Federal trabalhista é agente de Estado com plena responsabilidade e imbuído de função jurisdicional, podendo-se presumir que todas as provas produzidas e convalidadas em sentença de procedência, tiveram garantidos o contraditório a ampla defesa e o devido processo legal, todos aptos a gerar a perquirida segurança jurídica da decisão.
Além disso, o processo trabalhista é produto aprimorado da atividade jurisdicional temperada pela realidade e pelo bom censo. A sociedade é “consumidora” das normas processuais no afã de conferir eficácia forçada aos direitos subjetivos que, certamente, sem a convalidação jurisdicional seriam ineficazes.
Cumpre ressaltar que o processo trabalhista se perfaz em meio de transformação da realidade fática em realidade jurídica, finalizando-se na realização da paz social, o que justifica a legalidade da eficácia da sentença trabalhista produzir efeitos também no meio previdenciário. Nesse sentido é o precedente que abaixo colacionamos:

PREVIDENCIÁRIO. CONTRATO DE TRABALHO RECONHECIDO. CTPS.PROVA PLENA. RECONHECIMENTO DE TEMPO DE SERVIÇO. SENTENÇA MANTIDA.

1.A exigência de prévio requerimento administrativo como condição ao ajuizamento de ação judicial para a obtenção de benefício previdenciário não se coaduna com a garantia constitucional (art. 5º, XXXV) de que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito.

2. A anotação de vínculo empregatício na Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS goza de presunção juris tantum de veracidade e faz prova plena do tempo de serviço nela registrada, nos termos do art. 62 , § 2º , I do Dec. 3.048 /99. 3. O segurado cumpriu o disposto no art. 55 , § 3º , da Lei 8213 /91, uma vez que trouxe aos autos a cópia de sua CTPS em que consta a anotação dos períodos de trabalho reconhecidos. 4. (...) 7. Apelação a que se dá parcial provimento, para determinar que a incidência de juros e correção monetária se dê conforme as orientações do Manual de Cálculos da Justiça Federal, aprovado pela Resolução/CJF 134, de 21.12.2010, e que os honorários advocatícios incidam ape as sobre as parcelas vencidas até a prolação da sentença. (TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL AC 11382 MG 0011382-27.2007.4.01.3800 (TRF-1)

Portanto, de acordo com o entendimento acima exposto o autor se desincumbe do seu ônus probante ao fazer juntar cópia da CTPS devidamente anotada, de modo que assim agindo caberá a autarquia ré desconstituí-la como prova já que o ônus de fiscalizar a efetividade do recolhimento das contribuições previdenciárias é da própria autarquia.

2.2- Sentença como ato estatal a validar a presunção iuris tantun

A sentença, na linha doutrinária de Liebman8, se equivale a ato de autoridade ditado por um ente estatal em que reivindica naturalmente, perante todos, seu ofício de formular o comando concreto da lei ou ainda, a vontade do Estado para um caso determinado colocado sob análise.
Com isso as partes litigantes no processo, na qual é proferida a decisão, são aquelas que vão sofrer os efeitos da sentença. Portanto, se é capaz de surtir efeitos entre as partes, não há como negar sua eficácia também perante terceiros, haja vista que a sentença se constituir em título executivo judicial. Isso posto, se a sentença de natureza trabalhista foi proferida entre as partes e tendo a mesma transitada em julgado e, proferida por juiz competente, a ocorrência de seus efeitos são patentes e imutáveis de modo a alcançar terceiros.

Tratando-se de ato emanado por autoridade competente e em conformidade com o direito, a sentença trabalhista deve ser dotada de presunção iuris tantum, sob pena de levar a decisão judicial à total ineficácia no mundo jurídico, deixando de produzir as consequências normais e inerentes ao ato.
Nesse sentido, o próprio STJ já admite a sentença trabalhista como início de prova material, senão vejamos:

“PROCESSUAL E PREVIDENCIÁRIO. TEMPO DE SERVIÇO. COMPROVAÇÃO. INÍCIO DE PROVA MATERIAL. SENTENÇA TRABALHISTA. NÃO VIOLAÇÃO DO ART. 472 DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. INCIDÊNCIA DO ART. 55, § 3º DA LEI 8.213/91. AGRAVO INTERNO PROVIDO.

1 - A questão posta em debate restringe-se em saber se a sentença trabalhista constitui ou não início de prova material, pois as anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS advieram por força desta sentença.

2 - Neste contexto, mesmo o Instituto não tendo integrado a lide trabalhista, impõe-se considerar o resultado do julgamento proferido em sede de Justiça Trabalhista, já que se trata de uma verdadeira decisão judicial.

3- A jurisprudência desta Eg. Corte vem reiteradamente decidindo no sentido de que a sentença trabalhista pode ser considerada como início de prova material, sendo apta a comprovar-se o tempo de serviço prescrito no artigo 55, § 3º da Lei 8.213/91, desde que fundamentada em elementos que demonstrem o exercício da atividade laborativa na função e nos períodos alegados, ainda que o Instituto Previdenciário não tenha integrado a respectiva lide.

4 – Agravo interno conhecido e provido. AgRg no Ag 887805 / PR AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO 2007/0117177-8 Relatora Ministra JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) (1136) T5 – QUINTA TURMA STJ, DJ 17.09.2007 p. 348.)”

De tal forma, a presunção iuris tamtum deve prevalecer em relação a sentença trabalhista, constituindo-se essa verdadeiro início de prova material, bem como firme título judicial passível de execução para recolhimento das contribuições devidas a autarquia previdenciária.
Portanto, o interesse é exclusivo do INSS, cabendo ao mesmo suscitar e provar a inveracidade da decisão trabalhista ainda que a discussão ocorra no âmbito de processo previdenciário, tendo em vista a presunção iuris tantum de legitimidade da sentença trabalhista perante terceiros, razão pela qual não deve ter sua validade rechaçada, ab initio, como em regra pretende a autarquia.

Interessante lembrar que o patrono da causa deve sempre tentar instruir da melhor forma o processo, trazendo todos os documentos que a parte tiver para demonstrar o direito que está buscando. Assim, mesmo a considerar a presunção relativa da sentença trabalhista, havendo outros documentos que possam ratificar as suas alegações, devem estes serem levados aos autos.

3- DA RESPONSABILIDADE DO INSS PELA FISCALIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES A SEREM VERTIDAS PELO EMPREGADOR E DA DESNECESSIDADE DE RECOLHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

As anotações da Carteira de Trabalho do de cujus, por exemplo, gozam de presunção de veracidade, constituindo prova plena acerca do exercício da atividade urbana desempenhada. Cabe ao INSS fiscalizar o cumprimento da obrigação de recolhimento por parte do empregador, não podendo o empregado ser diretamente prejudicado pelo seu descumprimento.
Quanto a fiscalização pela autarquia pública federal, veja-se as disposições da própria INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 100 - DE 18 DE DEZEMBRO DE 2003:

“Art. 136. Serão adotados os seguintes procedimentos de fiscalização quanto às contribuições sociais incidentes sobre os fatos geradores reconhecidos por sentença proferida em reclamatória trabalhista:

I - nas decisões cognitivas ou homologatórias cumpridas ou cuja execução SE TENHA INICIADO ATÉ 15 DE DEZEMBRO DE 1998, data anterior ao início da vigência da Emenda Constitucional nº 20, de 1998, o Auditor-Fiscal da Previdência Social (AFPS), durante a Auditoria-Fiscal, ao constatar o não-recolhimento das contribuições sociais devidas ou o recolhimento inferior ao devido, deverá apurar e lançar os créditos correspondentes;

II - nas decisões cognitivas ou homologatórias cumpridas ou cuja execução se tenha iniciado a partir de 16 de dezembro de 1998, é de competência da Justiça do Trabalho promover de ofício a execução das contribuições sociais, devendo a fiscalização abster-se de lançar qualquer débito que porventura verificar em ação fiscal. (...)”

O precedente abaixo ilustra bem o nosso entendimento:

TRF-3 - APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO APELREEX 6378 SP 0006378-
21.2003.4.03.9999 (TRF-3) Data de publicação: 08/03/2013 Ementa: PREVIDENCIÁRIO.APOSENTADORIAPOR TEMPO DE SERVIÇO.RECONHECIMENTO DE ATIVIDADE RURAL. INÍCIO DE PROVA MATERIAL. RECONHECIMENTO DE TEMPO DE SERVIÇO URBANO.PERÍODOS ANOTADOSEM CTPS. RECOLHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES. APOSENTADORIA PORTEMPO DE SERVIÇO. NÃO IMPLEMENTO DOS REQUISITOS. – (...) No caso de empregado e trabalhadores avulsos, a obrigatoriedade dos recolhimentos das contribuições previdenciárias está a cargo de seu empregador. - Impossibilidade de se exigir, do segurado, a comprovação de que foram vertidas. CABE AO INSS COBRÁ-LAS DO RESPONSÁVEL TRIBUTÁRIO NA FORMA DA LEI. Inteligência dos artigos 139 e 141, do Decreto 89.312 /84. - Reconhecimento dos períodos comuns trabalhados de 10.07.1972 a 08.11.1972, 10.05.1973 a 06.12.1973, 01.06.1974...

Sendo assim, não é plausível que o INSS se defenda ante a ausência de contribuições para indeferir determinado benefício previdenciário ao segurado, pois de acordo com a disposição legal vigente não é dado às partes alegarem sua própria torpeza para conseguir benefício próprio.
Não há que se falar ainda em obrigatoriedade do recolhimento de período anterior a 1991, já que a contribuição previdenciária apenas ganhou natureza de obrigação legalmente imposta com o advento da Lei 8213/91. Até então, tratava-se de mera liberalidade do empregador, excetuando-se referido período para o computo do mesmo lapso como período de carência, mas a servir apenas como tempo de contribuição.

4- CONCLUSÃO

A Previdência Social como sabemos abarca uma série de benefícios previdenciários, tidos como direitos sociais e em prol do bem público, mediante proteção e amparo do trabalhador já em idade avançada. Desse modo, a anotação na carteira de trabalho e a ausência de dados migrados para o CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) é algo muito mais comum do que se possa imaginar.
Inúmeros segurados, ao ingressarem com pedido administrativo para obtenção de sua aposentadoria, deixam de ter o benefício concedido porque o tempo de atividade remunerada, anotado na CTPS, não consta no banco de dados da Previdência Social. Foi justamente esse fato social que fez com que muitos segurados buscassem a tutela judiciária a fim de garantir o direito ao benefício previdenciário.
Daí, a crescente demanda de ações que tratavam sobre o tema foi e, ainda é, tão gigantesca, que a Turma Nacional de Uniformização - TNU editou a Súmula nº 75 da TNU(“A Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) em relação à qual não se aponta defeito formal que lhe comprometa a fidedignidade goza de presunção relativa de veracidade, formando prova suficiente de tempo de serviço para fins previdenciários, ainda que a anotação de vínculo de emprego não conste no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS).”) , reconhecendo a presunção de veracidade de anotações na CTPS dos segurados, embora não tenha o registro migrado para o CNIS.

Com o posicionamento da TNU acerca do tema, caberá ao INSS comprovar a inexistência ou irregularidade da anotação na CTPS do segurado como forma de excluir o direito pleiteado. Não havendo meios de desconstituir a prova da carteira de trabalho apresentada, tem-se por conclusão que o tempo anotado deverá ser computado para fins de carência, de modo a não poder repassar o ônus da inércia da autarquia para o trabalhador. Isso porque, nos casos de segurados obrigatórios, a responsabilidade pelo recolhimento da contribuição não é do trabalhador, mas do empregador, conforme anuncia o art. 30, da Lei 8.212/91. Portanto, cabe ao INSS fiscalizar o recolhimento das contribuições ao tempo da prestação de serviço.
Em razão disso, a Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos JEF's concluiu então pela validade iuris tantum da anotação da CTPS, mesmo em situações nas quais a referida anotação do vínculo de emprego não conste no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS). De tal forma, a presunção iuris tamtum deve prevalecer em relação a sentença trabalhista, apresentando-se como início de prova material, bem como firme título judicial passível de execução para recolhimento das contribuições devidas ao INSS.

Portanto, a principal razão dessa mudança está na maior confiabilidade da Administração Pública sobre as informações existentes no Cadastro Nacional de Informações Sociais. Enquanto a CTPS é documento que pertence ao segurado empregado, fica em sua posse e só é apresentado ao INSS na eventualidade de requerimento de benefício.

Já o CNIS é de acesso permanente pelo agente público e é com base nele (juntamente com o software PLENUS- nome esse atribuído a tela de informação da autarquia) que as contribuições são verificadas e os benefícios são concedidos. Logo, a Carteira de Trabalho é examinada pelo INSS apenas para a comparação dos dados fornecidos ou para a conferência de vínculos anteriores à criação do CNIS (tendo em vista que o art. 80, I, da Instrução Normativa INSS/PRES nº 45/2010 ainda lista a CTPS como meio de prova do exercício da atividade do segurado empregado urbano ou rural, que fortalece a tese da presunção de sua veracidade.

5- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PEREIRA, Luiz Fernando. A análise da prova no processo do trabalho. Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n. 79, 20 set. 2003 . Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/4231>. Acesso em: 28 jul. 2013.
BRASIL. CJF. Turma de Uniformização Nacional das Decisões das Turmas Recursais dos Juizados Especiais Federais. Autos nº 2002.72.04.006512-4/SC. Recorrente: INSS. Recorrido: Derci Ramos Machado e outro. Relator Juiz Federal Marcus Vinicius Bastos, julgado em 10 de maio de 2004. Disponível em: . Acesso em: 11 de novembro de 2004.
BRASIL. Tribunal Regional Federal da 1ª Região. AC. nº 01286497/MG. Processo 199601286497/MG. Relator juiz João Carlos Mayer Soares (conv.), publicado em 09 de outubro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 novembro 2004.
BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. 5ª Turma: Ag. Rg. 887805 no Agravo de Instrumento 2007/0117177-8. Relatora Ministra Jane Silva, publicação em 17.09.2007, p. 348. Disponível em: www.stj.gov.br/slon/jurisprudencia/toc.jsp. Acesso em 03 de junho de 2008.
BRASIL. Lei 8.213, de 24 de julho de 1991. Institui os Planos de Benefício da Previdência Social, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 julh. 1991.
BRASIL. Lei 5.869, de 11 de janeiro de 1973; Institui o Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Brasília, 17 de jan de 1973.
BRASIL. Instrução Normativa INSS N.º 27, de 30 de abril de 2008, alterou Instrução Normativa n.. 20/INSS/PRES, de outubro de 2007. Diário Oficial da União, Brasília, 02 maio 2008.
CASTRO, Carlos Alberto Pereira de. LAZZARI, João Batista. Manual de direito previdenciário.3ª ed. São Paulo: LTr, 2002.
CASAGRANDE. Vinicius Magalhães. Reclamatória trabalhista e comprovação de tempo de serviço perante a previdência social. Disponível em : http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=9865. Acessado em 28 de julho de 2013.
13 FREITAS, Jonatas Rodrigues de. A execução das contribuições sociais na Justiça do Trabalho. Farol Jurídico, Maio 2002.
MEIRELES, Edilton. Temas da Execução Trabalhista. São Paulo: LTr, 1998.
LIEBMAN, Enrico Tullio. Eficácia e Autoridade da Sentença, Rio de Janeiro, 1945, Editora Forense, p. 105/122.
PERÓN, Hildo Nicolau. Coisa julgada trabalhista: limitações de eficácia no âmbito previdenciário. Disponível em: www.revistadoutrina.trf4.gov.br/index.htm?http://www.revistadoutrina.trf4.gov.br/artigos/edicao007/hildo_peron.htm. Acesso em: 28 de julho de 2013.
CARDONE, Marly A. e CUSTÓDIO, Márcio Ferezin. Legislação de previdência social anotada. São Paulo, LTr, 2001.
MARTINS, Sérgio Pinto. Execução da contribuição previdenciária na justiça do trabalho. São Paulo: Editora Atlas, 2001.
MARTINEZ, Wladimir Novaes e NOVAES FILHO, Wladimir. Lei básica da previdência social. São Paulo, LTr, 2000
ROCHA, Daniel Machado da; BALTAZAR JÚNIOR, José Paulo. Comentários à Lei de Benefícios da Previdência Social. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000.
SANDIM, Emerson Odilon. Novos perfis da execução previdenciária na Justiça do Trabalho. Sinergia entre a Constituição e a Lei 10.035. Exegese sistêmica como meta de otimização. Jus Navigandi, Teresina, a. 5, n. 47. Acesso em: 22 de jul de 2011.

Obs: O presente texto tem o caráter meramente " informativo" e não tem intenção de induzir ao leitor a litigar.
Informa, sim, os eventuais direitos dos leitores e sua opção por contratar um advogado da sua confiança, já que este profissional é indispensável à administração da Justiça, é defensor do Estado Democrático de Direito, dos direitos humanos e garantias fundamentais, da cidadania,da moralidade, da Justiça e da paz social, cumprindo-lhe exercer o seu ministério em consonância com a sua elevada função pública e com os valores que lhe são inerentes, entre eles o dever de "informar" à sociedade os seus potenciais direitos para que, com isso, se alcance a tão sonhada justiça social, tudo conforme preceito básico contido no art. 2º do Código de Ètica da advocacia.

Share

Precisa de Ajuda? Entre em Contato Conosco

Tire Suas Dúvidas

Nosso escritório tem filiais em várias cidades da Zona da Mata Mineira  e no Rio de Janeiro, contando também com advogados associados parceiros em toda Minas Gerais, Rio de Janeiro e Brasília. Faça contato conosco e lhe indicamos o endereço e o contato do nosso correspondente ou filial mais próxima da sua cidade. 

 

JO WhatsApp Contact Button

Faça uma visita

Carvalho Campos & Macedo Advogados

Rua Santo Antônio, nº42
Centro - Juiz de Fora - MG

Contatos

Telefone: (32) 3212-4083
Atendimento: (32) 3212-4083
Consultoria: (32) 3025-0329