“ É preciso Reformar a Previdência Pública para a garantia das aposentadorias futuras”. Esse é um discurso que está na pauta das discussões políticas desde o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Sempre se tenta justificar as constantes e sucessivas reformas sob a alegação de um suposto rombo nas contas da Previdência. Parte-se do argumento de que se gasta mais do que se arrecada nos regimes previdenciários brasileiros, em função do aumento da expectativa de vida e do consequente envelhecimento da população.

   

 

A nossa visão política do tema coaduna com a intepretação da maioria: o Governo atual, mais audacioso do que os seus antecessores e sem qualquer consciência social, quer se livrar dos ônus da Previdência Púbica privatizando-a e, com o discurso do “déficit previdenciário”. Este mesmo governo propõe reformas que deixam o sistema tão desvantajoso para o cidadão que o obriga a procurar planos de previdência privada ou outros investimentos que possam garantir um descanso digno na velhice.

A previdência privada complementar já existe e já vende planos muito antes dessas novas propostas de Reforma da Previdência, mas bastou o governo anunciar o “pacote de maldades” da PEC 287/2016 que a procura pelos planos complementares aumentou em grande proporção. O Grande problema é que confiar apenas nos corretores de planos sem um correto planejamento previdenciário pode gerar grandes prejuízos para o investidor.
A principal chamada dos Planos de Previdência privada é, sem dúvidas, a seguinte: “Quanto você quer ganhar depois de parar de trabalhar? Será ela sua única fonte de renda? Em qual forma de plano investir? Deverá resgatar o valor total ou em determinada periodicidade?”
Essas são algumas das preocupações que as pessoas só começam a ter apenas poucos anos antes de precisar do benefício que lhe garanta uma condição digna de descanso em função da velhice ou de alguma patologia que cause incapacidade para o trabalho. No entanto, é importante pensar na aposentadoria ainda na juventude, para garantir um bom rendimento além daquele valor mensal pago pela Previdência Pública (INSS ou Regimes Próprios dos Servidores Públicos).
Em alguns casos, a previdência privada é, de fato, atraente para quem quer fazer contribuições de longo prazo. Quanto antes a aplicação começar a ser feita, maior será o montante que servirá de base para calcular a renda vitalícia complementar a da previdência pública na aposentadoria ou o total de recursos acumulados para financiar algum outro projeto. É preciso ter cuidado, porém, pois não é para todos os casos que se recomenda a Previdência Privada como investimento complementar à Aposentadoria do INSS ou de algum regime próprio de Previdência. O Planejamento Previdenciário individualizado é mais do que necessário para não permitir prejuízos no futuro.

O Planejamento Previdenciário, consiste em uma preparação completa de toda vida previdenciária pretérita, com vistas em todo histórico de vínculos e contribuições; vínculos extemporâneos; análise da razão da sua existência; possibilidade de complementação de contribuições; averbação de tempo de serviço não computado; conversão de tempo de serviço especial em comum; possibilidade de justificações administrativas e ações judiciais e uma série de outras peculiaridades que serão levadas em conta conforme cada caso concreto que se apresenta.
Geralmente, um Parecer Jurídico com o devido Planejamento Previdenciário acompanhado dos cálculos que o embasaram constitui um importante documento com, no mínimo 4 laudas, chegando até 30 laudas.
Já se observaram casos em que o segurado fica preocupado, achando que vai receber um salário baixo na aposentadoria e, no decorrer do Parecer Previdenciário, identifica-se períodos em que é possível a complementação das contribuições para que se alcance do Teto do Regime Previdenciário no ato da concessão da aposentadoria.

Nos outros casos, há situações em que o segurado acha que vai se aposentar em 5 (cinco) anos, segundo informações de servidores do INSS e, depois dos cálculos (averbação de períodos não computados e conversão de tempo especial) percebe que já pode se aposentar.
Algumas situações sugerem que o segurado pague valores em atraso ou complemente as contribuições para percepção de um valor maior na aposentadoria. A título de exemplo, um segurado pegou R$ 30.000,00 de empréstimo no banco para recolher valores em atraso e ao invés de se aposentar em 4 anos, se aposentou na mesma semana. Fazendo os cálculos do período do empréstimo e a possibilidade de continuar exercendo a mesma profissão (acumulando o salário da ativa e o da aposentadoria) o planejamento foi positivo e gerou grande lucro para o cliente.

O importante, é analisar cada caso com o esmero “cirúrgico”. Muitas vezes, quando se quer complementar, por exemplo, a aposentadoria pública, é mais vantagem investir em Títulos do Tesouro do que em previdência privada devido as altas taxas de administração e os valores pagos no aporte e no resgate. No mesmo sentido, quando não se está satisfeito com a rentabilidade de determinado plano, às vezes é mais vantajoso fazer a “portabilidade” para outro plano com menores taxas do que fazer o resgate do valor investido, o qual sofrerá com as deduções tributárias.

Obs: O presente texto tem o caráter meramente " informativo" e não tem intenção de induzir ao leitor a litigar.
Informa, sim, os eventuais direitos dos leitores e sua opção por contratar um advogado da sua confiança, já que este profissional é indispensável à administração da Justiça, é defensor do Estado Democrático de Direito, dos direitos humanos e garantias fundamentais, da cidadania,da moralidade, da Justiça e da paz social, cumprindo-lhe exercer o seu ministério em consonância com a sua elevada função pública e com os valores que lhe são inerentes, entre eles o dever de "informar" à sociedade os seus potenciais direitos para que, com isso, se alcance a tão sonhada justiça social, tudo conforme preceito básico contido no art. 2º do Código de Ètica da advocacia.

 

Share

Precisa de Ajuda? Entre em Contato Conosco

Tire Suas Dúvidas

Nosso escritório tem filiais em várias cidades da Zona da Mata Mineira  e no Rio de Janeiro, contando também com advogados associados parceiros em toda Minas Gerais, Rio de Janeiro e Brasília. Faça contato conosco e lhe indicamos o endereço e o contato do nosso correspondente ou filial mais próxima da sua cidade. 

 

JO WhatsApp Contact Button

Faça uma visita

Carvalho Campos & Macedo Advogados

Rua Santo Antônio, nº42
Centro - Juiz de Fora - MG

Contatos

Telefone: (32) 3212-4083
Atendimento: (32) 3212-4083
Consultoria: (32) 3025-0329