fernandaO benefício de amparo assistencial, comumente denominado benefício de prestação continuada, foi introduzido no ordenamento jurídico brasileiro pela Lei 8.742/1993, embora o texto constitucional já o tenha previsto em 1988.

Ele constitui uma das alternativas de se concretizar o bem de todos (objetivo constitucional conforme o disposto no artigo 3°, IV, da Constituição da República de 1988) à medida que auxilia os ‘desamparados’ com incapacidade para a vida independente (idoso e portador de necessidade especial).

Os critérios para a sua concessão, no âmbito administrativo, ou seja, junto ao INSS, são ligados às exigências da Lei que, na maioria das vezes, é interpretada de forma equivocada pela Autarquia Previdenciária.

Este fato, por conseguinte, impossibilita o exercício do direito com base na verdadeira intenção constitucional, ou seja, a promoção da dignidade das pessoas.
Não adianta existir a previsão constitucional de um benefício voltado à dignidade da pessoa humana sem que ele se concretize. Na prática, em virtude de critérios demasiadamente rígidos como o do requisito objetivo da renda per capita de ¼ do saláriomínimo, ou mesmo a definição de um prazo mínimo de incapacidade para a concessão do direito, o INSS denega quase todos os pedidos de Benefício Assistencial.

O problema é que muitos acham que o INSS é a última instância e que, uma vez negado o seu pedido, não há solução, senão aceitar tal decisão e continuar vivendo na miserabilidade.

Outro fato social importante é que os realmente pobres e miseráveis nem sabem que possuem o direito e nem mesmo o requerem junto ao INSS.
Há um tempo atrás, alguns que, um pouco melhor informados, procuravam um advogado e recorriam ao judiciário, ainda tinham que passar por grande insegurança jurídica, tendo em vista que alguns juízes “estritamente legalistas” perpetuavam a aplicação equivocada da Lei, mesmo eivada de vícios de inconstitucionalidade.
Recentemente, o STF ampliou o direito aos benefícios assistenciais ao idoso e ao deficiente, quando, em interpretação conforme a Constituição, entendeu inconstitucionais dispositivos do Estatuto do Idoso e da Lei 8742/93.

Para o êxito na concessão deste beneficio, é necessário intruir o Processo Administrativo com vasta documentação probatória que demonstre objetiva e subjetivamente as condições de “risco social” da família e nos casos de deficiência, a incapacidade para o trabalho e para subsistência digna.
No caso de indeferimento administrativo ou mesmo quando o cidadão não consegue acesso ao menos ao serviço inicial do INSS, é recomendável que procure um advogado de sua confiança a fim de ter esclarecido os seus potenciais direitos, bem como o amparo para trilhar o melhor caminho para o êxito na conquista daqueles.

Obs: O presente texto tem o caráter meramente " informativo" e não tem intenção de induzir ao leitor a litigar.
Informa, sim, os eventuais direitos dos leitores e sua opção por contratar um advogado da sua confiança, já que este profissional é indispensável à administração da Justiça, é defensor do Estado Democrático de Direito, dos direitos humanos e garantias fundamentais, da cidadania,da moralidade, da Justiça e da paz social, cumprindo-lhe exercer o seu ministério em consonância com a sua elevada função pública e com os valores que lhe são inerentes, entre eles o dever de "informar" à sociedade os seus potenciais direitos para que, com isso, se alcance a tão sonhada justiça social, tudo conforme preceito básico contido no art. 2º do Código de Ètica da advocacia.

Share

Precisa de Ajuda? Entre em Contato Conosco

Tire Suas Dúvidas

Nosso escritório tem filiais em várias cidades da Zona da Mata Mineira  e no Rio de Janeiro, contando também com advogados associados parceiros em toda Minas Gerais, Rio de Janeiro e Brasília. Faça contato conosco e lhe indicamos o endereço e o contato do nosso correspondente ou filial mais próxima da sua cidade. 

 

Faça uma visita

Carvalho Campos & Macedo Advogados

Rua Santo Antônio, nº42
Centro - Juiz de Fora - MG

Contatos

Telefone: (32) 3212-4083
Atendimento: (32) 3212-4083
Consultoria: (32) 3025-0329